Com o livro Uberização, queremos
aprofundar o debate sobre os apps

Não se trata nem nunca se tratou de uma batalha entre táxis e Uber, nem entre hotéis e Airbnb. A tecnologia e os aplicativos vieram pra ficar, e a questão passa pela pergunta: iremos permitir que essas megacorporações do Vale do Silício explorem ainda mais o trabalho das pessoas e concentrem mais e mais riqueza nas mãos dos mesmos bilionários de sempre?

Depois de muita labuta, lançamos, ontem, na Casa do Povo, em São Paulo, o livro Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. O projeto foi todo concebido pelo tradutor da obra para o português, João Peres, que ainda em 2016 pescou a publicação de Tom Slee nos circuitos literários da internet e vislumbrou sua pertinência à discussão que já se tratava no Brasil, mas que agora parece estar atingindo pontos cada vez mais críticos — e importantes. Obrigado, João!

A capa — essa capa linda — foi responsabilidade direta de Isabela Sanches, que também diagramou o texto a partir do projeto gráfico desenhado por Bianca Oliveira. O cotejo da tradução ficou a cargo de Caroline Micaelia, e a revisão contou com os olhos de Giselle Porto. A preparação e a edição foram de Tadeu Breda. Uma equipe pequena, mas nem tanto, e muito empenhada em trazer ao país um livro essencial para os tempos presentes e vindouros.

Uberização chega aos leitores brasileiros em uma semana decisiva para a regulamentação dos serviços de aplicativos de transporte no país. O Senado deve votar entre outubro e novembro o Projeto de Lei 28, apresentado pelo deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP) no início do ano, e já aprovado na Câmara dos Deputados. Uber, Cabify e 99Taxis são radicalmente contrários à proposta. Taxistas de todo o país se mobilizam pela sua aprovação. Dois lobbies poderosos e influentes brigando por privilégios e hegemonia.

O livro mostra, contudo, que o xis da questão não está na oposição política que se construiu entre aplicativos e táxis. Tampouco há no setor de hospedagens grandes conflitos entre hotéis e Airbnb. O buraco é muito mais embaixo, e passa por mudanças radicais no mundo dos serviços e do trabalho, sobretudo pela desregulação completa que, atropelando leis e normas existentes, poderá intensificar a exploração da mão de obra e concentrar ainda mais renda. O grande trunfo do modelo de negócio desses aplicativos não é a tecnologia em si, mas o fato de que não contabilizam em seus preços nem o trabalho nem os custos operacionais de suas atividades. Não há nada de inovador nisso.

Aqui um pequeno resumo, em vídeo, das ideias de Tom Slee:

O debate de lançamento de Uberização complementa os desafios que tomaram de assalto nossas ruas, casas e telefones celulares. A procuradora do Trabalho Eliane Lucina, membro de um grupo de estudos constituído pelo Ministério Público do Trabalho para estudar a atuação da Uber e suas relações com os chamados “motoristas-parceiros”, ressalta a precarização a que estão submetidos os trabalhadores que aderem aos aplicativos para pagar as contas em meio à crise.

Ludmila Costhek Abilio, pesquisadora da Unicamp, complementa a análise com o histórico de informalidade do mercado de trabalho brasileiro, marcado por um fenômeno que os sociólogos há tempos vêm chamando como “viração”. E o professor Ricardo Abramovay, da USP, autor do belíssimo prefácio do livro, sublinha que a tecnologia e os aplicativos — caso continuem agindo livremente — poderão construir um mundo muito pouco afeito à justiça social.

Vale muito a pena conferir, aqui:

Enfim, a Editora Elefante agradece mais uma vez.

You may also like

Leave a comment