Imprensa estrangeira celebra
livro sobre uberização lançado no Brasil

Descubra o que estão falando sobre Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. New York Times, The Spectator, Counterpunch e The Guardian reafirmam qualidade da obra

Uberização: a nova onda do trabalho precarizado é um livro altamente respeitado por acadêmicos e jornalistas internacionais. Nem mesmo os alvos preferenciais da crítica bem embasada de Tom Slee — Uber e Airbnb — se posicionaram contra a obra, que a Editora Elefante tem o prazer de lançar em português no próximo dia 24 de outubro.

O livro, que chega ao leitor brasileiro em edição revista e atualizada pelo próprio autor, é uma das críticas mais contundentes à chamada Economia do Compartilhamento, responsável pela promessa — não cumprida — de que os aplicativos de serviços nos levarão a um mundo mais justo, igualitário e solidário.

ADQUIRA SEU EXEMPLAR!

O jornal The New York Times repercutiu o relatório de Slee que mostra que o Airbnb mentiu para a procuradoria-geral e para os cidadãos de Nova York, ocultando anúncios na tentativa de manter o discurso de que se trata de um negócio de baixo impacto, sem necessidade de regulação. O relatório “lança uma sombra nesse cenário colorido, afirmando que a corporação ‘enganou a imprensa e o público’ ao apagar mais de mil anúncios de seu site em novembro, antes de tornar disponíveis os dados”.

Confira mais algumas opiniões sobre Uberização: a nova onda do trabalho precarizado.

O livro de Tom Slee tem o mérito de desmistificar a aura de esperança com que a Economia do Compartilhamento foi encarada em seus primórdios. É uma importante denúncia contra o cinismo dos que se apresentam ao grande público como promotores da cooperação social e do uso parcimonioso dos recursos, mas que na verdade estão entre os mais importantes vetores da concentração de renda, da desregulamentação generalizada e da perda de autonomia dos indivíduos e das comunidades no mundo atual.
— Ricardo Abramovay, autor do prefácio à edição brasileira

Quando alguma coisa vai terrivelmente mal com uma transação de Uber ou Airbnb, as empresas simplesmente dizem: “Não fui eu.” Tom Slee tem um capítulo brilhante sobre como os sistemas de reputação baseados em estrelas simplesmente não funcionam.
The Guardian

O trabalho de Slee não engana o leitor ou promove uma análise superficial. Slee é um cético extremamente bem informado que apresenta uma crítica forte contra os dissimulados da alta tecnologia que igualam compartilhamento com lucro (…) Slee faz um excelente trabalho de fornecer argumentos sobre a necessidade de manter a pressão em crescimento, e seu livro deveria estar à mão de ativistas lutando contra a ganância cega dos especuladores do Vale do Silício.
— CounterPunch

O excelente Uberização: a nova onda do trabalho precarizado mostra em detalhes como essas plataformas usaram uma combinação de relações públicas, lobby e táticas agressivas de negócios para abrir seu caminho para o trabalho organizado parecer como o próximo passo na evolução dos negócios.
— Frank Pasquale, professor de Direito da Universidade de Maryland

ADQUIRA SEU EXEMPLAR!

Tom Slee oferece uma crítica inteligente e intensa sobre o qual as pessoas estão apenas começando a pensar de maneira séria. Enquanto alguns blogueiros ainda tratam a economia do compartilhamento como uma espécie de causa, Slee corretamente a analisa como um modelo de negócios mascarado como movimento.
— The Spectator

Leitores progressistas podem compartilhar do justo senso de indignação de Tom Slee, mas a mensagem dele é realmente direcionada ao resto do mundo — pessoas usando aplicativos para pedir compras ou fazer um deslocamento ao aeroporto, sem pensar muito em ideologia. Ele enumera vários efeitos que são, no mínimo, indesejáveis.
— Medium

A Economia do Compartilhamento tacha os críticos como ludistas, burocratas e caça-níqueis, mas Tom Slee não é nada disso. Um pensador da tecnologia, Slee pinta um cenário bem fundamentado de companhias que construíram valores de mercado de massa externalizando os custos e ignorando regulações.
— Sue Gardner, ex-diretora-executiva da Fundação Wikimedia

You may also like

Leave a comment