Corumbiara, caso enterrado será vendido com descontão em Rondônia

Amigas e amigos de Rondônia, vocês têm sido tão gente boa conosco que resolvemos dar uma boiada. Esta semana, pousamos no estado para uma série de debates, entrevistas, palestras. Durante estes eventos, Corumbiara, caso enterrado será vendido sem o preço de frete. Nós, da Editora Elefante, decidimos retirar o custo do transporte dos livros de São Paulo a Vilhena para garantir que o trabalho seja acessível a ainda mais gente. Com isso, o valor cai de R$ 37 para R$ 30 – e com direito a uma dedicatória do autor.

Esta é uma das maneiras que encontramos para retribuir o imenso carinho, interesse e engajamento que muitas pessoas vêm demonstrando nas redes sociais, nos e-mails, nas conversas por telefone. Há um tantão de gente mobilizada para garantir belos momentos em nossa passagem pelo estado – e para difundir o livro entre os leitores e as leitoras rondonienses.

Não faltarão oportunidades para adquirir um exemplar economizando uns caraminguás. Ao longo dos próximos quinze dias, serão 15 eventos espalhados por oito cidades: Vilhena, Colorado do Oeste, Cacoal, Rolim de Moura, Ji-Paraná, Ouro Preto do Oeste, Ariquemes e Porto Velho. Debateremos o livro-reportagem sobre o chamado “massacre de Corumbiara” com professores, estudantes, advogados, historiadores, jornalistas e quem mais se interesse por esse trabalho: o mais completo já publicado sobre o conflito agrário que entristeceu o Cone Sul de Rondônia em agosto de 1995.

Sempre haverá quem diga que R$ 30 ainda é muito caro. Se dependesse apenas de nós, presentearíamos com este livro todo mundo que quisesse. Mas, infelizmente, há prejuízos a saldar. Como calculamos o preço de Corumbiara, caso enterrado? Somamos o valor da impressão aos gastos que tivemos até o primeiro lançamento, em 20 de julho, em São Paulo. Desconsideramos totalmente aquilo que investimos no processo de apuração porque isso deixaria o preço muito mais alto. E chegamos à conclusão de que R$ 30 seria razoável para equilibrar a necessidade de pagar os custos da tiragem de mil exemplares e as possibilidades econômicas dos leitores.

Comprar nosso livro-reportagem não é apenas um ato individual de quem tem interesse em saber mais sobre o chamado “massacre de Corumbiara”. Trata-se também de ajudar a sustentar coletivamente uma iniciativa voltada ao fortalecimento do mercado editorial independente brasileiro. Se cada um coloca R$ 30 nessa história, não fica pesado pra ninguém e garantimos o lançamento de outros títulos sobre temas tão relevantes e tão esquecidos quanto este. E a Editora Elefante já está trabalhando em novos livros.

É certo que nossas iniciativas não têm o apelo comercial de um Paulo Coelho, de um Harry Potter, de um 50 tons de cinza. Ainda bem que é assim. Mas tudo o que publicamos tem um inegável valor cultural, artístico, jornalístico e de defesa do interesse público. Vender um livro-reportagem deste tipo a R$ 60 seria, portanto, contraditório com nosso objetivo de fazer com que as ideias voem longe, com que nosso trabalho seja usado, abusado e reproduzido, com que cada vez mais gente desperte para o desapegar de estruturas envelhecidas, que já não dizem nada sobre nossas verdadeiras necessidades.

Aproveite que estamos bonzim demais. Esta semana, encontramos vocês em Vilhena e em Colorado do Oeste. Bora lá!

Corumbiara, caso enterrado será lançado em Brasília

O livro-reportagem sobre o chamado ‘massacre de Corumbiara’ chega à capital federal na próxima semana. O Balaio Café, na Asa Norte, famoso por organizar eventos que apresentam importantes questões do país, receberá o autor de Corumbiara, caso enterrado, João Peres, no próximo dia 18, a partir de 20h. Este é o terceiro evento organizado para divulgar o caso ocorrido há exatos vinte anos, em 9 de agosto de 1995 – antes, São Paulo e Osasco tiveram noites de encontros e debates.

Brasília ocupa papel importante no episódio narrado no livro-reportagem. Quando doze pessoas morreram durante operação de reintegração de posse na fazenda Santa Elina, em Rondônia, o então governador, Valdir Raupp (PMDB), não foi ao local dos fatos. Preferiu tomar um avião rumo à capital para demover o ministro da Justiça, Nelson Jobim, da ideia de que a Polícia Federal realizasse um inquérito paralelo ao dos órgãos estaduais. Um pedido exitoso, que, porém, desembocou em investigações mais tarde contestadas pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Nove anos depois do caso, em 2004, o Superior Tribunal de Justiça manteve decisão do Judiciário de Rondônia. Com isso, esgotaram-se os recursos para os sem-terra Claudemir Gilberto Ramos e Cícero Pereira Leite Neto, condenados pela morte de dois policiais militares. No mesmo ano, chegou ao fim a contestação judicial aberta pelos advogados dos soldados Daniel da Silva Furtado e Airton Ramos de Morais e do capitão Vitório Régis Mena Mendes, todos sentenciados pelo episódio.

Compre agora!

Também na capital, em 2007, sem-terra de diferentes grupos e visões ideológicas acamparam na Esplanada dos Ministérios. Audiência na Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República resultou na assinatura de um convênio que liberou R$ 98 mil para a assistência jurídica das famílias de posseiros atingidas pela operação de reintegração. A Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Rondônia (Fetagro) ingressou com ação solicitando indenização para todos os que acamparam na Santa Elina. O pedido acabou rejeitado no final de 2014 pelo Tribunal de Justiça estadual, que avalia que os crimes cometidos pelo Estado já estão prescritos.

O Congresso Nacional também foi palco de debates acirrados sobre os fatos ocorridos em Rondônia. Em 1995, o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), fundador da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, foi ao local dos fatos e redigiu um relatório em que alertou para a possibilidade de que o caso resultasse em impunidade. Dezesseis anos mais tarde, o também petista João Paulo Cunha (SP) protocolou o Projeto de Lei 2.000, de 2011, que propõe anistia aos condenados. Aprovado na Comissão de Constituição e Justiça após resistência da bancada ruralista, o texto não chegou a ser apreciado em plenário.

lancamento_brasilia_corumbiara

Lançamento de Corumbiara, caso enterrado em Brasília
Balaio Café CLN 201, Bloco B, Loja 19/31
Telefone: (61) 3327-0732
Data: 18 de agosto, 20h

Estivemos em Osasco para apresentar Corumbiara, caso enterrado

O salão da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Osasco, na Grande São Paulo, recebeu bom público na noite de sábado (1º) para debater os vinte anos do massacre de Corumbiara. O evento, organizado pela CUT São Paulo e pelo Instituto Adelino Ramos, marcou o lançamento de Corumbiara, caso enterrado, livro-reportagem da Editora Elefante que narra de maneira inédita os fatos ocorridos em 9 de agosto de 1995 na fazenda Santa Elina, no sul de Rondônia.

O debate teve a mediação de Valdir Fernandes, o Tafarel, dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, e contou com a presença do deputado federal Valdir Prascideli (PT-SP), do deputado estadual Marcos Martins, da vereadora local Mazé Favarão, de Célia Ramos, do Instituto Adelino Ramos, e de Gilmar Mauro, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Na conversa, o autor de Corumbiara, caso enterrado, João Peres, apresentou um resumo da história ocorrida há vinte anos. Em julho de 1995, famílias sem-terra de todo o Cone Sul de Rondônia ocuparam um pedaço da fazenda Santa Elina, de 18 mil hectares. Durante operação de reintegração de posse iniciada na madrugada de 9 de agosto, doze pessoas morreram – nove posseiros, dois policiais e um homem não identificada. Cinco anos mais tarde, foram condenados três PMs e dois líderes da ocupação.

“Busquei construir essa história sem mitos, sem heróis. Este é um passo importante para que se respeite a inteligência, a autonomia do leitor para decidir o que ocorreu na Santa Elina”, disse o autor. “Os humanos erram, acertam. É preciso retratar a complexidade das relações humanas sem apelar a uma oposição entre bons e maus que não ajuda em nada a refletir sobre o que ocorreu.”

Antes do debate, uma missa foi celebrada pelo padre Bernard Leo Dolan em homenagem às vítimas do conflito. Durante o ato, o deputado Valdir Prascideli comprometeu-se a buscar a aprovação do Projeto de Lei 2.000, de 2011. O texto, de autoria do ex-parlamentar João Paulo Cunha (PT-SP), propõe a anistia dos sem-terra condenados pelo caso – Claudemir Gilberto Ramos, oito anos e meio de prisão, e Cícero Pereira Leite Neto, seis anos e dois meses.

Na tramitação pela Casa, o deputado Vieira da Cunha (PDT-RS) acolheu sugestão para que também os policiais fossem incluídos no rol de beneficiados. O projeto chegou a ser aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, mas nunca chegou a ser pautado para votação em plenário. Após passar pelo crivo dos depitados, o texto ainda tem de ser apreciado pelo Senado antes de seguir a sanção presidencial.

Seis motivos para ler Corumbiara, caso enterrado

Lançado recentemente, o livro-reportagem Corumbiara, caso enterrado despertou atenção e interesse em muita gente de Rondônia, São Paulo e várias partes do país. O trabalho de João Peres, com fotos de Gerardo Lazzari, passa a limpo o episódio conhecido como “massacre de Corumbiara”, um conflito agrário que deixou doze mortes, segundo os números oficiais, há vinte anos.

Compre agora!

Os dados gerais são fáceis de conhecer: três policiais e dois sem-terra foram condenados pela tragédia ocorrida durante a reintegração de posse na fazenda Santa Elina, em 9 de agosto de 1995. Mas, é claro, ninguém deve se contentar com informações tão breves. O importante é ir a fundo, entender os detalhes, vasculhar os cantos obscuros deste episódio tão importante – e, como outros, tão esquecido.

Por isso, listamos seis motivos pelos quais você deve ler Corumbiara, caso enterrado:

1. É inédito. Este é o primeiro livro-reportagem sobre o caso. É uma chance única de conhecer a fundo um dos piores conflitos agrários do Brasil pós-ditadura, de maneira sistematizada, com a apresentação das informações centrais e das diferentes versões sobre o que ocorreu em 9 de agosto de 1995 na fazenda Santa Elina, em Corumbiara, Rondônia.

2. Não tem Fla-Flu. Um dos grandes esforços de Corumbiara, caso enterrado é afastar-se da polarização que nos empobrece intelectualmente a cada dia. Logo de início, o livro convida o leitor a deixar para trás os conceitos pré-fabricados que tentam a tudo e a todos enquadrar. A ideia é retratar fielmente as diferentes visões em torno deste episódio, respeitando a autonomia de quem lê para formar a própria opinião.

3. Inquietações. Trazer à tona os incômodos dos acomodados é um dos papeis deste livro. Por que algumas pessoas se recusam a comentar o episódio? A população de Rondônia tem uma nova oportunidade de questionar Valdir Raupp (PMDB), à época governador. O hoje senador tem se negado a falar sobre o caso, que claramente não figura em suas melhores lembranças.

4. Este não é um caso isolado. O debate sobre o caso Corumbiara não diz respeito ao nosso passado. Temos um país que continua sem debater a fundo a questão da reforma agrária, empurrada com a barriga durante sucessivos governos. O Brasil registra muitas mortes em conflitos agrários todos os anos – são pelo menos 328 em uma década – e Rondônia está sempre entre os líderes da desonrosa lista elaborada pela Comissão Pastoral da Terra. O papel da ditadura na situação atual da Amazônia e na distribuição territorial brasileira é outra questão discutida pelo livro.

5. Repercussão. O livro-reportagem foi tema de vários veículos de alcance nacional e de destaque em Rondônia. “No livro ninguém é santo”, escreveu o El País Brasil. O jornalista Mário Magalhães, autor da premiada biografia sobre Carlos Marighella, considera fundamental o trabalho lançado pela Editora Elefante. “Das desgraças de uma nação, poucas são tão nefastas como memória embaçada. Contra a maldição do esquecimento, há uma novidade a comemorar: o livro Corumbiara: Caso Enterrado”, publicou em seu blog. No site da Editora Elefante, é possível ler reportagens, ouvir e assistir a entrevistas.

6. Cultura sem amarras. Ao comprar Corumbiara, caso enterrado, você ajuda a manter uma editora independente e sem fins lucrativos, que se propõe a oferecer livros que talvez não tenham grande interesse comercial, mas cuja importância social, política e cultural é indiscutível. A Editora Elefante é uma iniciativa verdadeiramente livre de amarras econômicas e partidárias, capaz de contar histórias sem se preocupar em proteger privilégios de uns poucos ou interesses dos mais inconfessáveis.