Amazônia

R$ 29,90

FRETE GRÁTIS
Entrega em 5 a 10 dias úteis

Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza
Autor: Ricardo Abramovay
Prefácio: Ivo Lesbaupin
Orelha: Antonio Martins
Coedição: Elefante, Outras Palavras, Abong, Iser & Terceira Via
Edição: Tadeu Breda
Preparação: Raquel Catalani
Projeto gráfico: Alessandra S. O. de Proença & Bianca Oliveira
Capa: Bianca Oliveira
Lançamento: outubro de 2019
Páginas: 112
Dimensões: 13 x 21 cm
ISBN: 978-85-93115-54-7

Categorias: ,

Descrição

O atual modelo de desenvolvimento, produtivista-consumista, levará muito provavelmente a humanidade à autodestruição. Precisamos denunciar o processo de degradação em curso e construir uma outra forma de organização social e econômica que nos permita viver e conviver harmoniosamente com a natureza, da qual fazemos parte. A Amazônia está no centro do debate sobre a crise ambiental, não apenas para o nosso país, mas para todo o mundo. O estudo aqui publicado, apoiado nas pesquisas mais recentes sobre a região, oferece dados e análises preciosos para interrompermos a “economia de destruição da natureza” e possibilitarmos a emergência de uma “economia do conhecimento da natureza”. O estudo mostra, entre outras coisas, que, até 1960, apenas 1% do território da Amazônia havia sido desmatado, e hoje são 20%. Entre 2004 e 2012, houve significativa redução do desmatamento, mas, depois, voltou a crescer. Em 2016, o Brasil foi o sétimo emissor mundial de gases de efeito estufa: deste total, 51% foram causados pelo desmatamento. Nos últimos meses, tem havido um verdadeiro descontrole por parte do governo em favor de um processo que corre o risco de levar à savanização e desertificação da Amazônia. É possível, demonstra o autor, com apoio em práticas que já ocorrem na Amazônia, mudar a situação, reverter o quadro negativo, valorizar a experiência e a vida dos povos tradicionais, combinar a sua cultura com os avanços da ciência e da tecnologia, apoiar e ampliar as unidades de conservação. Dando o devido valor à maior área de biodiversidade do Planeta, o Brasil tem condições de oferecer uma contribuição global fundamental na luta contra as mudanças climáticas. Esperemos que este trabalho ajude a tomar consciência da gravidade da situação em que nos encontramos, com riscos tanto para o Brasil como para o mundo, e que enveredemos com urgência na mudança de rumo da qual necessitamos.

— Ivo Lesbaupin, no Prefácio

 

***

 

Este texto oferece argumentos e dados empíricos para contestar a visão tão frequente de que o crescimento econômico na Amazônia supõe a substituição de áreas florestais (em geral ocupadas por populações indígenas e ribeirinhas) por atividades agropecuárias tradicionais como a soja e a pecuária. Mostra também que a destruição florestal, além de privar o Brasil e o mundo de serviços ecossistêmicos indispensáveis à própria vida, apoia-se em atividades ilegais e, com muita frequência, no banditismo. As consequências do avanço do desmatamento são desastrosas para a economia da Amazônia e para a própria democracia brasileira. No lugar dos laços de confiança que poderiam emergir como resultado da exploração sustentável da floresta em pé, o atual modelo de ocupação da Amazônia fortalece a criminalidade e dissemina a insegurança por toda a região.

— Ricardo Abramovay, na Apresentação

 

SOBRE O autor

Ricardo Abramovay é professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (usp). Fez sua carreira acadêmica na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da usp, da qual tornou-se professor titular em 2001. É autor ou coautor de treze livros, entre os quais Paradigmas do capitalismo agrário em questão (Edusp, 2007) e Muito além da economia verde (Planeta Sustentável, 2012), traduzido ao espanhol e ao inglês. Formado em filosofia pela Universidade de Paris Nanterre, é mestre em ciência política pela usp e doutor em ciências sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Sua pesquisa mais recente concentra-se na interface entre desenvolvimento sustentável e revolução digital. É membro do conselho de diversas organizações da sociedade civil, como o Instituto Socioambiental, o Imazon e o Imaflora. Também integra o conselho do Museu do Amanhã.