Oferta!

Qual o valor da natureza?

R$ 60,00 R$ 49,90

PRÉ-VENDA COM DESCONTO!

Qual o valor da natureza?
uma introdução à ética ambiental
Autor: Daniel Braga Lourenço
Capa & projeto gráfico: Bianca Oliveira
Edição: Tadeu Breda
Preparação: Natalia Engler
Revisão: Laura Chagas
Lançamento: abril de 2019
Páginas: 448
Dimensões: 16 x 22 cm

FRETE GRÁTIS: ENVIOS A PARTIR DE 10/05

Categorias ,

Descrição

Este livro reúne todos os adjetivos idealmente esperados de uma obra desta envergadura. […] É desnecessário dizer da atualidade do assunto e da sua premência para o Direito, uma vez que a literatura jurídica é tão carente deste aporte de base. Promovendo a incorporação da Ética Ambiental, a obra de Daniel Braga Lourenço estimula, pelas lentes da Filosofia do Direito, meditar sobre a fundamentação da Teoria do Direito, do Direito Constitucional, dos direitos fundamentais, do Direito Ambiental. Para ficarmos com o último, como seria possível Direito Ambiental sem Ética Ambiental? Seria um Direito Ambiental limitado, raso, autocentrado, legalista, pobre. Neste livro, o Direito Ambiental localiza a discussão atinente à sua sustentação filosófica, à sua legitimidade, capaz de ensejar uma relevante alteração de perspectiva.

Quando está a se ampliar o consenso de que é indispensável reformular o status jurídico dos animais; quando a Constituição do Equador e a Lei da Mãe Terra na Bolívia preveem direitos da natureza; quando uma ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, afirma que a Constituição adotou a matriz biocêntrica e que “os animais possuem uma dignidade própria que deve ser respeitada”; quando alguns sustentam que a Constituição, ao reconhecer que animais são sencientes, teria reconhecido também a eles a condição de sujeito de direitos; quando há quem veja na Constituição (e em leis infraconstitucionais) a acolhida da matriz ecocêntrica; quando outro integrante do STF, Luís Roberto Barroso, escreve: “embora ainda não se reconheça a titularidade de direitos jurídicos aos animais…” e assevera que os animais, enquanto seres sencientes, tem “pelo menos o direito moral de não serem submetidos a crueldade”; quando se propõe ação judicial em nome da Bacia Hidrográfica do Rio Doce, isto é, na salvaguarda dos direitos do Rio (da natureza); percebe-se evidentemente a importância central do livro Qual o valor da natureza?.

Ora, o que significa dizer que a Constituição adotou o biocentrismo ou o ecocentrismo? Afirmar que os animais têm dignidade própria? Quais os impactos destas assertivas? Não é difícil notar o terremoto nos alicerces do sistema jurídico conforme tradicional e majoritariamente percebido. O que entender quando Tom Regan reclama e conclama os ecocentristas to take rights seriously? É possível sustentar que o Rio Xingu tem direito a que se respeite integralmente a sua existência e à regeneração dos seus ciclos vitais e simultaneamente concluir que a usina de Belo Monte pode ser construída? Pensar como uma montanha, como sugeriu Aldo Leopold, é a melhor forma de pensar? O que compreender por igualitarismo biosférico? Quando Arne Naess diz que o vegetarianismo é compatível com a Deep Ecology, como se dá esta relação? Quando o STF declara a inconstitucionalidade da farra do boi, da rinha de galo e da vaquejada e, depois, a constitucionalidade da matança de animais em rituais religiosos, há, para lembrar Ronald Dworkin, coerência, integridade? Afinal, quais os critérios para determinar o que é certo e errado, moralmente, juridicamente?

A obra que o leitor tem em mãos o convida a meditar sobre estas e tantas outras questões, exatamente aquelas que antecedem e fornecem fundamentação ao Direito, tópicos que, por mais complexos e incomodativos que sejam, são incontornáveis. E se lançar a esta aventura intelectual pelas linhas seguras de Daniel Braga Lourenço é a certeza de percorrer um surpreendente e instigante caminho. Ao longo do percurso, o leitor possivelmente irá notar que não é o mesmo das primeiras páginas.

Qual o valor da natureza? vem a sanar uma danosa lacuna na doutrina jurídica brasileira e, também por isso, passa a ser essencial a todos aqueles que trabalham com o Direito. Sem embargo, seu universo de leitores é muito mais amplo, do filósofo ao biólogo, do antropólogo ao ecologista, do educador ao sociólogo. Na verdade, não há fronteira, a recomendação da leitura é generalizada, a todos edifica e a tantos outros aproveita.

— Fábio Corrêa Souza de Oliveira, no prefácio

 

SOBRE O AUTOR

Daniel Braga Lourenço é professor de Direito Ambiental e coordenador do Laboratório de Ética Ambiental da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É membro do Oxford Centre for Animal Ethics [Centro Oxford para a Ética Animal] e leciona em cursos de graduação e pós-graduação nas universidades Estácio de Sá, Ibmec, Fundação Getúlio Vargas e Pontifícia Universidade Católica, no Rio de Janeiro, e UniFG, na Bahia.