Uma história da onda progressista sul-americana

R$ 59,90

FRETE GRÁTIS!
Entrega: cinco a dez dias úteis após postagem

Autor: Fabio Luis Barbosa dos Santos
Orelha: Isabel Loureiro
Capa & projeto gráfico: Bianca Oliveira
Edição: Tadeu Breda
Preparação: Paula Carvalho
Revisão: Daniela Uemura
Lançamento: novembro 2018
Páginas: 525
ISBN: 978-85-93115-18-9
Dimensões: 14 x 21 cm

PRÉ-VENDA: ENVIOS A PARTIR DE 21/11

Categoria

Descrição

Fabio Luis Barbosa dos Santos mergulha na história política da América do Sul para compreender as razões da ascensão e queda dos chamados “governos progressistas”. Na esteira das mobilizações contra as reformas neoliberais dos anos 1990, nove países da região elegeram presidentes identificados com as reivindicações populares. Contudo, menos de vinte anos depois da vitória do primeiro deles, Hugo Chávez, e após golpes de Estado mais ou menos explícitos, essa onda chegaria ao fim, abrindo espaço para o recrudescimento do conservadorismo. O que aconteceu? Talvez o diálogo crítico entre passado e presente proposto neste livro possa oferecer caminhos para o futuro de uma esquerda sul-americana aturdida com a força de macris, uribes, fujimoris, piñeras e bolsonaros depois de um ciclo de crescimento e inclusão social.

==

Na América Latina, de tempos em tempos, somos invadidos pelo sentimento desesperador do eterno retorno do mesmo. A cada tentativa de integração civilizadora, nossas sociedades são tragadas pela voragem do atraso que as mantêm presas à desigualdade, à falta de liberdade e à injustiça. Por quê?

No intuito de responder a inquietações que retornaram com força depois do desmanche da “onda progressista”, Fabio Luis Barbosa dos Santos procura, a partir de rica pesquisa de campo e de entrevistas, além de amplo domínio da literatura especializada, sintetizar o que ocorreu nas últimas duas décadas.

Ao analisar as contradições e os dilemas dos governos progressistas, o autor mostra que, apesar das particularidades de cada país, há características comuns: os presidentes não romperam com o legado macroeconômico das ditaduras; com pequenos piparotes na desigualdade, fortaleceram o capitalismo, deixando de cumprir promessas de integração social substantiva; levados ao poder pela insatisfação do campo popular com as políticas de ajuste neoliberais, canalizaram a revolta para demandas institucionais de pequeno resultado; e, por fim, se aproveitaram da acumulação por espoliação, surfando no consenso das commodities sem atentar para a predação socioambiental daí decorrente.

Em suma, enfraqueceram o campo popular e incrementaram a inserção subordinada e passiva de seus países no mercado mundial, em nome de uma política de esquerda. É fácil entender que a volta da direita ao poder não é um raio em céu azul.

Fabio Luis conclui que a derrocada da onda progressista atesta mais uma vez que, dado o caráter antinacional, antipopular, antidemocrático e predatório das classes dominantes no continente, a única alternativa civilizatória para a América Latina é o socialismo. Não por acaso, o último país analisado neste livro é Cuba. Seus dilemas são os dilemas do socialismo hoje.

Ao mapear o debate público aberto em 2016 sobre os rumos da revolução, o autor mostra sem preconceitos nem idealizações os problemas enfrentados pela ilha, isolada no oceano do capitalismo global, assim como os limites da Revolução Cubana.

Das reflexões de Fabio resta uma advertência: a alternativa civilizatória para Nossa América, que vá além do canto de sereia do consumo, está num projeto socialista humanista fundado em valores como igualdade, liberdade e participação popular, combinando direitos universais com relações mercantis disciplinadas por um Estado soberano.

Mas é sabido que mesmo uma proposta reformista tão modesta continua tabu absoluto para os donos do poder. Só resta concluir com Fabio Luis que, diante da contrarrevolução permanente, reforma é revolução.

— Isabel Loureiro

 

SOBRE O AUTOR

Fabio Luis Barbosa dos Santos é doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e autor dos livros Além do PT: a crise da esquerda brasileira em perspectiva latino-americana (Elefante, 2016) e Origens do pensamento e da política radical na América Latina (Unicamp, 2016). É também um dos organizadores de Cuba no século XXI: dilemas da revolução (Elefante, 2017).