Pedro Rocha de Oliveira

é carioca, professor do ensino público federal, psicanalista, e pós-doutor em filosofia. Tentando dar uma voz mais ou menos organizada à sensação de colapso onipresente na experiência contemporânea, estuda as origens e os limites da civilização moderna, entendida simplesmente e rigorosamente como socialização capitalista. É coautor de Até o último homem: visões cariocas da administração armada da vida social (Boitempo, 2013), autor de Dinheiro, mercadoria e Estado nas origens da sociedade moderna: estudo sobre a acumulação primitiva de capital (Editora PUC-Rio, 2018) e de vários estudos, artigos e capítulos sobre estética moderna, política penal, psicanálise e história do pensamento moderno, através dos quais tem buscado manter os olhos sempre fixos nas razões para odiar o caminho mortífero em que, desde o advento moderno, a humanidade foi metida. Suas principais referências teóricas são Paulo Arantes, Peter Linebaugh, Theodor Adorno, Sándor Ferenczi e David Graeber. Na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, geralmente leciona crítica da economia política, pensamento brasileiro e filosofia da cultura.

 

É autor(a) em:

 

Postagens relacionadas:

Livro retoma a vida e o pensamento dos fundadores da modernidade para interpretar a nova direita brasileira

Na sexta-feira, 24 de maio, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), às […]

Ler mais

Breve história do progressismo antipático

Por Pedro Rocha de Oliveira Entrevista a Tadeu Breda   Que, diante da ascensão da extrema direta, as forças progressistas […]

Ler mais

Sempre fomos modernos

Pode parecer, à primeira vista, que o que pensaram e fizeram alguns influentes intelectuais ingleses do século XVI nada tem […]

Ler mais