fbpx
Oferta!

Donos do mercado

R$ 50,00 R$ 45,00

PRÉ-VENDA COM DESCONTO!

Donos do mercado:
como os grandes supermercados exploram trabalhadores, fornecedores e a sociedade
Autores: Victor Matioli & João Peres
Edição: Tadeu Breda
Preparação: Luiza Brandino
Capa: Pedro Botton & Hannah Uesugi / Estúdio Arquivo
Projeto gráfico: Bianca Oliveira
Diagramação: Denise Matsumoto
Lançamento: outubro de 2020
Páginas: 340
Dimensões: 14 x 21 cm
ISBN: 9786587235219

FRETE GRÁTIS :: ENVIOS A PARTIR DE 03/11

REF: 978-65-87235-21-9 Categorias: , , , ,

Descrição

Como as redes de supermercados cresceram tanto? Carrefour e Pão de Açúcar formam um duopólio? Como o Estado permitiu que isso acontecesse? Que impactos esse gigantismo traz para os consumidores e fornecedores? E para os quase 200 mil funcionários das duas maiores redes? Essas e outras perguntas ecoaram em nossas cabeças por meses. As respostas estão neste livro-reportagem, que destrincha as estratégias que fizeram dos grupos franceses os donos do mercado. E mostra que o preço mais alto não está nas prateleiras.

***

Nosso gesto de consumo mais banal. Mais automático. Mais repetido e repetitivo. Mais impensado. E, no entanto, um dos gestos que mais tem implicações para nós e nossos corpos. Para nossas cidades. Para nosso planeta.

Os supermercados, em especial aqueles posicionados em áreas de classes média e alta, são a linha tênue entre o absolutamente chato e o perfeitamente eficiente. Um espaço onde não se está. Um não problema. Um lugar no qual entramos, nos servimos do que precisamos e seguimos a vida. Seguramente é assim que as corporações do setor querem ser vistas. Carrefour e Pão de Açúcar não pretendem rastejar pelo nosso afeto. Basta que não as odiemos.

Ao longo de um ano, os repórteres Victor Matioli e João Peres vasculharam cada prateleira em busca de respostas. E, principalmente, foram além do que está exposto para venda. A investigação parte de uma pergunta simples: qual a fatia de mercado controlada por Pão de Açúcar e Carrefour? A partir disso, revela-se uma teia complexa de estratégias diversas e entrelaçadas que fizeram e fazem das duas corporações francesas as donas do varejo alimentar brasileiro.

O supermercado é a vitrine principal de um paradigma de desenvolvimento que fracassou profundamente. Sete décadas depois de lançada a ideia de progresso infinito e inevitável, estamos mais pobres e mais desiguais. O planeta está esgotado. O desalento dá o tom de nossa década. Há contestações ao agronegócio, às indústrias química, farmacêutica, alimentícia, automobilística, têxtil, de tecnologia, a praticamente qualquer corporação do planeta. E, no entanto, os supermercados seguem desfrutando de nossa boa vontade. Da banalidade absoluta do ato de consumo mais corriqueiro.

Ao longo da investigação, o sofrimento se revela como regra, e não como exceção. Trabalhadores que recebem o mínimo e são descartados às dezenas de milhares todos os anos. Um Judiciário abarrotado de processos por violações, assédio, doenças laborais.

Os autores descobrem um sem-fim de condições impostas pelas redes aos fornecedores, que, mesmo milionários ou bilionários, parecem sempre frágeis diante do tamanho dos supermercadistas. Um modelo de negócios que exclui os pequenos agricultores, cada vez mais em apuros. E que exclui a diversidade para transformar a todos em consumidores pasteurizados.

Nesse lugar de gente infeliz, o Estado peca duplamente. Ora pela inação: foram as vistas grossas do órgão de controle da concorrência que permitiram que a concentração aumentasse fortemente nas últimas três décadas. Ora pelas atitudes em favor do poderio das duas redes: os recursos do BNDES foram absorvidos quase na totalidade pelas duas redes. Ora pela anuência a uma série de artifícios utilizados para evitar o recolhimento de tributos. Créditos cobrados por empresas-fantasma, esquemas de exportação fictícia, remessas a paraísos fiscais: nada disso encontra punição à altura pelos mecanismos federais e estaduais de controle tributário e fiscal.

Mas não há um grande volume de reflexões sobre o papel dos supermercados nessa operação. É ali, entre gôndolas e códigos de barra, que a história se perde. A história do alimento. A nossa história. Donos do mercado é um trabalho imprescindível para quem quer enxergar além das prateleiras.

 

SOBRE os AUTORES

Victor Matioli é repórter de O Joio e O Trigo, com passagens pela revista Harvard Business Review Brasil, Rádio USP e Jornal da USP.

João Peres é editor e repórter de O Joio e O Trigo, com passagens e colaborações para UOL, The Intercept, BandNews FM, Rádio Jovem Pan e Rede Brasil Atual, entre outros. É autor do livro-reportagem Corumbiara, caso enterrado (Elefante, 2015) e coautor de Roucos e sufocados: a indústria do cigarro está viva, e matando (Elefante, 2017).

O Joio e O Trigo é o primeiro projeto de jornalismo brasileiro dedicado a investigar exclusivamente sobre sistemas alimentares, saúde e doenças crônicas. Criada em 2017, a organização tem como filosofia revelar informações sobre estratégias corporativas que afetam o direito à saúde e à alimentação adequada. Além de publicar reportagens na página própria e em parceria com outros veículos, mantém um podcast, Prato Cheio, e uma rede latino-americana de repórteres reunidos em Bocado – investigações comestíveis. A publicação de livros sobre alimentação e nutrição é entendida como parte relevante dessa estratégia, ao ajudar a prover reflexões e investigações aprofundadas, como em Uma verdade indigesta. Como a indústria alimentícia manipula a ciência do que comemos, de Marion Nestle (Elefante, 2019).