fbpx

Movimentos tentam inviabilizar debates sobre Corumbiara, caso enterrado em Porto Velho

DSCF6237

Um setor reduzido do movimento estudantil rondoniense tentou inviabilizar os dois debates sobre Corumbiara, caso enterrado realizados na segunda-feira, 21 de setembro, nos campi do Instituto Federal de Rondônia (Ifro), na zona norte de Porto Velho, e da Universidade Federal de Rondônia (Unir), no centro da capital.

Com bandeiras, gritos de guerra e um arsenal bem ensaiado de certezas, os militantes – munidos da crença dogmática de que o livro-reportagem fora encomendado pelo PT para atacar uma organização que apoiam, a Liga dos Camponeses Pobres – interditaram qualquer discussão séria e aprofundada sobre o conteúdo da obra e passaram para o ataque direto contra seu autor, João Peres, tido como marionete do governo federal.

A estratégia dos jovens do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) contou com a conivência e participação de alguns professores do Ifro e da Unir, que ou ajudaram a entoar os vários mantras ideológicos que constrageram a plateia ou os aprovavam, quando não diretamente, com desbragados sorrisos e fotografias.

Os momentos mais embaraçosos puderam ser observados na Unir Centro. No Ifro, pouco antes, uma mesa de debates mais plural, com um repesentante do Ministério do Desenvolvimento Agrário e um professor de Geografia Agrária, além de uma tropa de choque estudantil reduzida, diluiu a algazarra. Na Unir, porém, o que deveria ter sido mais um lançamento de Corumbiara, caso enterrado promovido pela seção rondoniense da Associação Nacional de História (ANPUH) se transformou num ato de desagravo à Liga dos Camponeses Pobres.

Os exemplares ficaram esmagados num cantinho do auditório tomado por jornais e bandeiras da organização — cujos membros, movidos por sabe-se lá quais interesses, se veem alucinadamente como personagens centrais do livro e vítimas de uma campanha de criminalização conduzida por seu autor. Durante o evento, foram distribuídas cópias de um panfleto intitulado Crítica ao livro “Corumbiara caso enterrado” de João Peres/PT, que merecerá resposta específica da Editora Elefante.

Além de João Peres, a mesa de debates foi formada apenas por ativistas da organização, que fizeram uma tabelinha com a claque estudantil ao longo de três horas na tentativa de deslegitimar o livro não pelo seu conteúdo – uma vez que alguns confessaram sequer tê-lo lido – mas pelo que acreditam que ele representa: um delírio.

As perguntas repetitivas, que desconsideravam totalmente as respostas do autor, emulam uma desgastada tática do movimento estudantil bastante comum em assembleias universitárias: quando uma organização política toma a palavra e martela uma certeza até convencer a plateia – pelo grito e pelo cansaço, não pelos argumentos – com o objetivo de vencer a votação no final. É um roteiro bastante conhecido.

Não houve, porém, contabilização de votos. E a oportunidade de discutir com profundidade e pluralidade política a história e os desdobramentos do caso Corumbiara, a violência no campo, as relações promíscuas entre os poderes político e econômico e a transição incompleta do Brasil à democracia perdeu-se numa falsa, barulhenta, desgastante, inútil e pouco racional dicotomia entre mocinhos e bandidos que o livro tanto condena.

Também pode te interessar

Deixe seu comentário