fbpx

Livro sobre 'massacre de Corumbiara' chega a Vilhena na semana em que o caso completa vinte anos

Corumbiara, caso enterrado chegou ao local onde tudo começou. A livraria Café e Letras, em Vilhena, é a primeira no Cone Sul de Rondônia a oferecer o lançamento da Editora Elefante. Uma das responsáveis pelo espaço, Ana Winter, prontificou-se desde o começo a atuar na difusão do trabalho na região em que ocorreram os fatos conhecidos como “massacre de Corumbiara”.

O livro-reportagem começa a chegar aos leitores justamente na semana em que o caso completa vinte anos. Os exemplares podem ser adquiridos na loja da Café e Letras no centro da cidade. Considerada uma capital informal do Cone Sul, Vilhena é ou foi residência de muitos personagens centrais no episódio. Do 3º Batalhão da Polícia Militar de Rondônia, sediado no município, partiu a maioria dos soldados e oficiais que participaram da reintegração de posse na fazenda Santa Elina, em Corumbiara, em 9 de agosto de 1995. Advogados que atuaram no caso vivem até hoje em Vilhena e são alguns dos mais de setenta entrevistados de Corumbiara, caso enterrado

O livro cumpre, ao chegar a Vilhena, mais uma etapa fundamental para alcançar o objetivo do trabalho: ajudar a resgatar uma história importante para todo o país — e, em especial, para a população rondoniense.

Em julho de 1995, famílias sem-terra ocuparam um pedaço da fazenda Santa Elina, de 18 mil hectares, localizada entre Corumbiara e Chupinguaia, em Rondônia. Durante operação de reintegração de posse iniciada na madrugada de 9 de agosto, doze pessoas morreram – nove posseiros, dois policiais e uma pessoa não identificada. Cinco anos mais tarde, foram condenados três PMs e dois líderes da ocupação.

Esse resumo pode ser encontrado em qualquer reportagem sobre os fatos. O essencial de Corumbiara, caso enterrado é cavocar além das aparências, dos números, da superfície. O jornalista João Peres, autor do livro, entrevista sem-terra, policiais, políticos, advogados, integrantes de movimentos sociais, promotores e juiz. Revisa processos e documentos. Promove o cruzamento de dados para tentar oferecer ao leitor um conjunto que permita formar a própria opinião. Busca romper a dicotomia empobrecedora que tenta a tudo enquadrar: bons e maus, amigos e inimigos.

Se você está em outros locais de Rondônia e do país, pode comprar seu exemplar pela internet, com valor de R$ 30 mais frete fixo de R$ 7. As vendas são realizadas no site da Editora Elefante e no Outros Livros.

Compre agora!

Ao comprar Corumbiara, caso enterrado, você ajuda a manter uma editora independente e sem fins lucrativos, que se propõe a oferecer livros que talvez não tenham grande interesse comercial, mas cuja importância social, política e cultural é indiscutível. A Editora Elefante é uma iniciativa verdadeiramente livre de amarras econômicas e partidárias, capaz de contar histórias sem se preocupar em proteger privilégios de uns poucos ou interesses dos mais inconfessáveis.

Também pode te interessar

Deixe seu comentário