Como chegamos até aqui?

Aos que ainda veem a onda progressista com lentes cor-de-rosa, o livro O eclipse do progressismo é um colírio necessário. Só a análise da realidade concreta nos salvará, ao mesmo tempo, da histeria da Rede Globo e de delírios à la Emir Sader ou García Linera

Por Fabio Luis Barbosa dos Santos
Autor de Além do PTCuba no século XXI

 

O que aconteceu? Como chegamos até aqui?

Esta indagação, presente no livro O eclipse do progressismo, mais precisamente na abertura do capítulo sobre a Bolívia, ronda a militância da Nossa América. É preciso enfrentá-la para que a história avance, em lugar de repetir-se como farsa. O primeiro passo é informar-se, para refletir. Pois, como dizia José Martí, “conhecer é resolver”.

Este livro é uma excelente contribuição nesta direção. Primeiro, porque recolhe textos de intelectuais que são militantes, e vice-versa. Portanto, é gente que tem uma vivência orgânica sobre o que fala. Os processos são analisados desde dentro, sem lugar para abstrações sobre o imperialismo ou para o discurso vitimizador da “reação da direita”, encobrindo corresponsabilidades. Embora alguns autores tenham servido em altos postos nestes governos, predomina o espírito crítico, mas nunca o rancor.

O resultado de O eclipse do progressismo é um conjunto de artigos reveladores sobre o progressismo, particularmente onde este subsiste: Bolívia, Equador, Venezuela, Nicarágua. Aos familiarizados com a crítica pela esquerda, o livro a atualiza. Por exemplo, Edgardo Lander elenca dados e fatos aterradores sobre a Venezuela de Nicolás Maduro. Sabendo que não há saída pela esquerda à vista, o autor deixa que as informações falem por si. É leitura obrigatória para quem deseja informar-se, como premissa para tomar uma posição.

Aos que ainda veem a onda progressista com lentes cor-de-rosa, o livro é um colírio necessário. Só a análise da realidade concreta nos salvará, ao mesmo tempo, da histeria da Rede Globo e de delírios à la Emir Sader ou García Linera.

Pablo Solón explicita, por meio de um ensaio franco e informado, como “a lógica do poder capturou o processo de mudança” na Bolívia. Alberto Acosta e John Cajas Guijarro apresentam, com riqueza de elementos, o processo por meio do qual o governo Correa forjou “um Estado que criminaliza e impõe sua ordem” no Equador.

O eclipse do progressismo inclui um excelente capítulo sobre a Nicarágua, uma situação menos conhecida entre os sul-americanos. Alejandro Bendaña apresenta uma análise devastadora sobre o sandinismo, travestido em orteguismo, imprescindível para entender os conflitos que explodiram recentemente no país.

Como toda coletânea, o livro é heterogêneo: há textos de diferentes tamanhos e enfoques. Emilio Taddei apresenta um panorama abrangente do governo Macri na Argentina, descrito como uma “virada neoliberal”. Entretanto, o kirchnerismo não é analisado, e ficamos sem entender porque a maioria dos senadores que apoiou o seu candidato, votou em seguida com Macri a favor dos fundos abutres.

Já a jovem Giovanna Roa revela, inclusive nas entrelinhas, os impasses da esquerda chilena: ao culpar os aliados pelo imobilismo do governo Bachelet, evidencia-se que, para que a esquerda possa renascer, ainda há contas a acertar com o Partido Socialista. Mas este é o único episódio de vitimização no livro.

O multifacetado texto de José Correa Leite abordando o Brasil faz uma avaliação destemida sobre “o PT e a construção de uma sociedade neoliberal”. Ao resgatar a trajetória do partido, para depois explorar seus governos à luz de temáticas como meio ambiente e gênero, o texto me parece particularmente instrutivo aos jovens. Importante, a reflexão reconhece a farsa do golpe, sem comprar o discurso de que era necessário para impor o projeto da direita — como se o PT fosse o oposto e não o complemento do vice golpista.

Finalmente, O eclipse do progressismo traz uma reflexão da uruguaia Lilian Celiberti sob a ótica do feminismo.

Da leitura de conjunto dos artigos, sobressaem alguns elementos. Todos os governos se apoiaram na exportação de matérias-primas, enfrentando necessariamente quem a isso se opôs. Crescimento e assistencialismo andaram de mãos dadas com cooptação e alienação, enquanto o vento das commodities soprou à favor.

Na economia política do progressismo, o poder converteu-se em um fim, derivando em práticas antidemocráticas onde ainda subsiste. No conjunto evidenciam-se, pela esquerda, os nexos entre o conteúdo cíclico da economia dependente e as formas repressivas da política que lhe corresponde, sustentando desigualdades e privilégios desde a Colônia.

Será preciso fazer muito e tudo diferente para que as coisas mudem. Não por gosto, mas por necessidade. Esperamos que o eclipse do progressismo seja, enfim, um ocaso. E, quando o movimento da história gravitar para a esquerda, tanto faz a revolução dos astros, desde que ilumine novamente a revolução na Terra.

You may also like