Progressismo latino-americano desarticulou a esquerda sem enfraquecer a direita

Fabio Luis Barbosa dos Santos diz que, para responder às medidas de Jair Bolsonaro, será necessário superar o lulismo, que não é um antídoto ao fascismo, mas um entorpecente que dificulta a compreensão do que se passa: só com luta os brasileiros escaparão da barbárie, não com morfina. Autor lança Uma história da onda progressista sul-americana

Por Gabriel Britto
Correio da Cidadania

 

A vitória de Jair Bolsonaro representa a afirmação do avanço conservador que, para muitos, colocou uma pá de cal na chamada “onda progressista sul-americana”. No entanto, tal ponto de vista parece não só limitado, mas condescendente. “Dizer que o PT não mudou o país por causa do ‘presidencialismo de coalizão’ é camuflar a densidade dos laços conservadores que sustentaram seus governos”, diz o historiador Fabio Luis Barbosa dos Santos, que acaba de lançar Uma história da onda progressista sul-americana (1998-2016) pela Editora Elefante.

Em linhas gerais, Fabio Luis afirma que os governos “progressistas” só mantiveram suas políticas de contentamento social enquanto puderam formar maiorias parlamentares, pois jamais cortaram privilégios e concessões às elites políticas e econômicas. “Os governos progressistas acreditaram que era possível resolver ou amenizar os problemas de seus países sem atacar suas causas estruturais. A estratégia foi conciliar os interesses dos de cima, que ganharam, como sempre, com pequenas concessões para os de baixo, o que resultou em relativa pacificação social”.

Fabio Luis reconhece o momento de fechamento democrático que se vive atualmente na América do Sul — praticamente uma condição sine qua non do modelo de capitalismo da região —, mas lembra que em diversos países oposições à esquerda ressurgem com força. No entanto, a complexidade do momento histórico não é de simples resposta, como mostra o caso mexicano, onde, em sua visão, a vitória de Andrés Manuel López Obrador não poderá resolver os grandes problemas sociais vividos pelo país — sobretudo no que se refere à violência produzida pela guerra às drogas.

Restará o acirramento das lutas de classes e de setores distintos da sociedade, nas quais o Brasil será um cenário “privilegiado”. “Há uma distância entre o que o governo de Jair Bolsonaro quer e o que conseguirá fazer. O fator mais importante não será o temperamento do presidente, sua base infiel, nem fictícios liberais democráticos, mas a reação popular. A pretensão de enfrentar os problemas do neoliberalismo com mais neoliberalismo certamente os agravará, assim como combater a violência com mais violência a piorará”.

Os dilemas históricos que em algum momento pareciam em vias de superação voltaram com força avassaladora. As incógnitas com que brindaremos o fim deste 2018 não serão menos presentes no ano que entra; estarão por tempo difícil de determinar. Tendo o Brasil como referência, Fabio Luis vaticina: “Será necessário superar o lulismo, que não é um antídoto ao fascismo, mas um entorpecente que dificulta a compreensão do que se passa”.

 

Seu novo livro, Uma história da onda progressista sul-americana, parece uma continuidade de Além do PT: a crise da esquerda brasileira em perspectiva latino-americana. É isso mesmo, qual seria o avanço que se faz entre uma e outra obra?

Além do PT nasceu de uma urgência política: entender o impeachment de Dilma. Isso porque a narrativa petista, dizendo que o golpe veio porque o projeto “da direita” perdeu nas urnas, tem como horizonte a restituição da ordem petista. Quis contribuir para dissipar a fumaça da ideologia, analisando os governos petistas para entender o impeachment. Em suma, é um ensaio de intervenção política, cujo objetivo é libertar a esquerda da lâmpada mágica do lulismo.

Uma história da onda progressista sul-americana é fiel ao título: uma reconstituição da história de cada país sul-americano com ênfase no período recente. É fruto de seis anos de trabalho, envolvendo dez viagens e centenas de entrevistas. É resultado, portanto, de uma densa pesquisa. Minha intenção é oferecer uma obra de referência para quem quer entender a história da região e de cada país sul-americano — inclusive Colômbia, Peru e Chile — em uma perspectiva de esquerda. Por isso inclui um capítulo sobre Cuba. É um livro para o militante e para o acadêmico.

 

O novo livro começa a abordagem pela Venezuela. O que comentar do atual estágio social, político e econômico do país? Por que a crise e a recessão chegaram a patamares tão dramáticos, considerando a abundância de divisas que a renda petrolífera lhe garantira?

A crise venezuelana tem uma origem econômica. A combinação entre inflação, desajuste cambial (enorme diferença entre o câmbio oficial e o paralelo) e desabastecimento corroeu a popularidade do bolivarianismo. Isso ficou claro nas eleições de dezembro de 2015, quando o governo elegeu menos de 1/3 dos parlamentares.

Desde então, o governo Maduro desistiu da institucionalidade que os próprios bolivarianos construíram: só brincam de democracia quando ganham, o que tem sido cada vez mais raro. O argumento de seus apoiadores é controverso, e divide a esquerda: dizem que as alternativas colocadas são todas piores e, com isso, justificam a perpetuação no poder em condições cada vez mais críticas.

Duas perguntas de fundo se colocam: por que estes problemas econômicos explodiram?; e por que não despontaram alternativas à esquerda? São questões que exigem analisar a dinâmica e as contradições do bolivarianismo, um processo que evoluiu ao longo de seus vinte anos. Dois pontos são fundamentais, que detalho no livro: os obstáculos para superar a dependência petroleira (na raiz dos problemas econômicos) e as contradições da mudança a partir do Estado — ou “de cima para baixo” — o que está na raiz das limitações políticas.

 

Tentando colocar numa certa ordem de relevância, quais foram os outros processos políticos nacionais que mais se aproximaram de uma ruptura com o neoliberalismo e a construção de novos modelos de política e sociedade?

Entendo que o único país em que houve a intenção de superar o neoliberalismo foi na Venezuela, que retomarei adiante. Mas talvez as maiores expectativas fossem em torno de Argentina, Bolívia e Equador, que entraram na onda progressista em meio a sublevações populares, onde vários presidentes foram derrubados.

Dentre estes, destaca-se o caso boliviano: Morales venceu as eleições em 2005 e convocou uma constituinte, em que não conseguiu maioria absoluta.Os cambas de Santa Cruz de la Sierra conspiravam para dividir o país, os Estados Unidos mandaram para lá seu ex-embaixador no Kosovo, recém-separado da Sérvia, enquanto os indígenas ameaçavam descer do Altiplano e resolver na marra o que o vice García Linera chamou como “empate catastrófico”.

Afinal, chegaram-se a acordos, a nova constituição foi promulgada e, nas eleições seguintes, Evo Morales ganhou de lavada e fez maioria. A expectativa era que o processo se radicalizasse, mas ocorreu o seu contrário. Desde 2011, trata-se de um governo antipopular, que converteu o poder em um fim em si mesmo.

Como explicar? Para dizer em uma linha, os compromissos para pacificar o país, assumidos na constituinte, determinaram a linha conservadora adotada pelo governo, que persistiram quando teve maioria parlamentar. Maioria que também os Kirchner tiveram em algum momento, e que López Obrador tem agora no México.

Assim, dizer que o PT não mudou o país por causa do “presidencialismo de coalizão” é camuflar a densidade dos laços conservadores que sustentaram seus governos — reduzir um câncer a uma verruga, porque é o que se vê.

 

Um país de grande importância e sempre negligenciado na mídia brasileira é a Colômbia, que agora passa por um intrincado processo de pacificação nacional. Como analisa o desenvolvimento dos acordos de paz e o peso deste país no equilíbrio regional?

Após a eleição de Bolsonaro, os brasileiros têm melhores condições de entender a Colômbia: como um país há meio século em guerra civil conduz longas negociações que desaguam em um acordo de paz, e este acordo é rejeitado em consulta popular? E o principal argumento do “não” era que a paz abriria o caminho para o “castrochavismo” e para que as Farc assumissem o comando do país… Desde os anos 1990, o uribismo envenenou a cultura política colombiana ao mesmo tempo que militarizou o país, em um processo que tem muita semelhança com o modo de fazer política de Bolsonaro.

O atual presidente Duque é um uribista que tem descumprido cada aspecto do acordo de paz — o que aliás, já era a tônica do governo anterior. Em termos regionais, determinou a saída de seu país da Unasul, e trabalhou ativamente para que outros países o acompanhassem. No entanto, ficou só, pois os demais entenderam que era preciso esperar as eleições no Brasil para se posicionarem. Agora, a organização fenecerá — exceto se os Estados Unidos tiverem planos para a Unasul sob Bolsonaro.

 

Qual o peso do Brasil e, mais especialmente do lulismo em meio a todo esse cenário, para bem e para mal?

A onda progressista foi mais do que a soma de governos nacionais: as sinergias e ações conjuntas constituíram um aspecto decisivo, e talvez o maior potencial do processo. Neste sentido pode-se dizer que, se a Venezuela foi a vanguarda da onda progressista, o Brasil foi o seu motor. Recuperemos as origens: em 2002, Chávez respondeu às tentativas frustradas de derrubá-lo radicalizando suas posições, caso único no subcontinente. Neste mesmo ano, Lula foi eleito e, em seguida, assumiu Kirchner. A Venezuela se entusiasmou com a perspectiva de ter parceiros além de Cuba.

No entanto, logo ficou claro que o Brasil não militaria por um projeto contra-hegemônico, pois queria ser global player. Em outras palavras, seu interesse não era fazer um time, mas ser o líder regional; seu jogo não era a Alba, mas a Unasul. E esta é uma terceira dimensão importante para entender o que aconteceu na Venezuela: o papel regional do Brasil, que, na prática, atuou como um freio e não como um acelerador da onda progressista.

Em linhas gerais, as gestões petistas projetaram sua lógica interna para a política regional: em casa, pretenderam melhorar a situação dos de baixo, sem comprar briga com os de cima. No plano internacional, ambicionaram ampliar a soberania regional, sem enfrentar os Estados Unidos. Assim, as gestões petistas foram simpáticas a Chávez ou a Fidel — desde que seus países aceitassem a ordem proposta.

 

Saindo da América do Sul, como enxerga Cuba em meio a tudo isso?

Desde o fim da União Soviética, Cuba se tornou uma espécie de quilombo, lutando com dignidade para sustentar seu socialismo primitivo em um mundo hostil. A principal dificuldade é econômica: Cuba é um país pobre, que não tem como sustentar de forma isolada o padrão social que construiu com apoio soviético. Desde os anos 1990, sua sobrevivência ficou ainda mais difícil: o horizonte civilizatório deixou de ser o comunismo, reduzindo-se à manutenção das conquistas sociais e da soberania fundadas na revolução.

Neste quadro, a onda progressista proporcionou algum alento: a Venezuela propôs parceria e petróleo, enquanto o Brasil ofereceu negócios. Vinte anos depois, os limites do progressismo também afetam a ilha, que reescreve sua constituição eliminando a referência ao comunismo. O saldo do processo não poderia ser mais claro: a onda progressista, que começou reescrevendo constituições com a proposta de refundar nações (Venezuela, Bolívia, Equador), termina reescrevendo o que havia de nação e de esquerda na região.

 

Afinal, por que a onda dos governos progressistas encontrou um limite e parece agora viver um quase irresistível processo de reversão pela direita e até extrema-direita?

Os governos progressistas acreditaram que era possível resolver ou amenizar os problemas de seus países sem atacar suas causas estruturais. A estratégia foi conciliar os interesses dos de cima, que ganharam, como sempre, com pequenas concessões para os de baixo, o que resultou em relativa pacificação social. Entretanto, esta pacificação implicou formas de neutralizar e apassivar o campo popular. Quando as condições políticas, sociais e econômicas que favoreceram esta pacificação se modificaram — e então é preciso analisar cada país —, vemos que as classes dominantes encontram-se fortes como sempre, enquanto o campo popular está desmobilizado, e em alguns casos, desmoralizado.

Neste sentido, entendo a atual conjuntura mais como um desdobramento do que como uma reversão. Vejamos o caso brasileiro: o governo Temer foi sem dúvida mais truculento do que as gestões petistas, mas o sentido das suas políticas foi o mesmo.

Por exemplo: o congelamento dos gastos públicos por vinte anos radicalizou a lógica do ajuste estrutural, praticada regiamente pelas gestões petistas, enquanto a perseguição popular se escora na lei antiterrorista sancionada por Dilma às vésperas do seu afastamento. As continuidades são sintetizadas por Henrique Meirelles, que comandou o Banco Central sob Lula.

Portanto, o governo Temer deve ser visto como uma metástase das administrações petistas, uma vez que os interesses antipopulares que aquelas jamais enfrentaram logo se espalharam desimpedidos.

 

Acredita que essa direitização só pode se dar em termos mais radicalizados e até fascistizados na atual conjuntura do capitalismo da região? Autoritarismo e fórmulas disfarçadas de estados de exceção seriam a única via para a reprodução do neoliberalismo neste momento?

Sem dúvida, esta é a tendência, mas não é a regra. Veja as eleições no México: López Obrador é visto como uma novidade política em um contexto de crise, fez uma campanha centrada na questão da corrupção, em que as redes sociais tiveram um papel determinante. As similaridades superficiais com Bolsonaro são surpreendentes. Como explicar? Esta contradança entre México e Brasil sugere que há uma variedade de formas para lidar com a crise na atualidade, dentre as quais se inclui o progressismo.

Veja o paradoxo: enquanto os países que atravessaram a onda progressista avançam para estados de criminalização da política e insulamento da economia, à moda colombiana, os países que não foram governados pelo progressismo evoluem na direção contrária: frentes de esquerda se destacaram nas eleições no Chile, Peru e Colômbia entre 2016 e 2017, enquanto López Obrador alcançou a presidência em 2018.

Esta ascensão pode ser interpretada não como um indício de mudança, mas como o seu contrário: vinte anos depois, constatada ao mesmo tempo a inofensividade do progressismo para ameaçar a ordem e sua relativa eficácia em geri-la, entreabre-se nos países em que as forças da mudança estiveram mais asfixiadas uma brecha, que seguramente cativará a ilusão de muitos e certamente não levará a mudança alguma. López Obrador será o primeiro atirado aos leões, encarando a monumental crise mexicana.

 

O que esperar do governo de Jair Bolsonaro, cuja equipe já está inteiramente nomeada e oferece pistas do que teremos? Que consequências suas políticas devem gerar no chão social?

De Bolsonaro, o povo só pode esperar o pior. A ambição geral da sua política é uma espécie de reformatação da sociedade brasileira, análoga à produzida pela ditadura de Pinochet no Chile — outra experiência que analiso no livro e que os brasileiros devem entender, para além da conhecida repressão. Ao final da ditadura, até a esquerda chilena estava desfigurada, e o Partido Socialista de Salvador Allende transformou-se em um gestor da ordem legada.

Porém, há uma distância entre o que o governo Bolsonaro quer e o que conseguirá fazer. O fator mais importante não será o temperamento do presidente, sua base infiel, nem fictícios liberais democráticos — mas a reação popular. A pretensão de enfrentar os problemas do neoliberalismo com mais neoliberalismo certamente os agravará, assim como combater a violência com mais violência a piorará. Em um primeiro momento, é provável que Bolsonaro ofereça sangue petista para aplacar a turba iludida que o elegeu.

Mas em seguida, a realidade cobrará a fatura e o campo popular responderá. Portanto, será necessário superar o lulismo, que não é um antídoto ao fascismo, mas um entorpecente que dificulta a compreensão do que se passa. Só com luta os brasileiros escaparão da barbárie, não com morfina.

You may also like