A origem dos brancos, o mundo celeste dos Guarani e Jesus, filho de Tupã

Em O perecível e o imperecível, Daniel Calazans Pierri expõe reflexões e debates travados com jovens e velhos guarani mbya em torno das maneiras de como foi e de como ainda é possível conviver com os estragos causados pelos modos de vida dos não índios

Na terça-feira, 17 de abril, a Editora Elefante lança O perecível e o imperecível: reflexões guarani mbya sobre a existência, de Daniel Calazans Pierri, segundo título da coleção Fundo & Forma, que publica obras contemporâneas de antropologia. Na ocasião, o autor debaterá sua obra com Jera Poty Miri e Tiago Karai, lideranças indígenas da cidade de São Paulo. O bate-papo contará ainda com a presença de Dominique Tilkin Gallois, professora do Departamento de Antropologia da USP.

Em três capítulos, Pierri descreve e analisa as visões de mundo coletadas junto após longas conversas e anos de pesquisas junto aos Guarani Mbya em aldeias do Sul e Sudeste do país. A maioria das entrevistas são apresentadas em versão bilíngue português e guarani. No livro, o leitor poderá conhecer mais sobre como os mbya enxergam a criação do mundo dos índios e do mundo dos brancos, além de sua interpretação sobre a vinda de Jesus, filho de Tupã.

O perecível e o imperecível é resultado de pesquisa que ‘finalizei’ em 2013, e tive com essa publicação a intenção de valorizar o pensamento filosófico dos anciãos e anciãs guarani com quem tenho convivido, além de apresentar um ponto de vista sobre o mundo guarani que permita trazer mais empatia e respeito por parte dos jurua, os não indígenas”, explica Daniel Calazans Pierri.

“Considero especialmente relevante no livro as transcrições de conversas que tive com esses pensadores e pensadoras guarani mbya, e que traduzi junto com meu amigo Werá Alexandre: são reflexões sobre nossa existência nessa terra perecível que vivemos; sobre os guarani, as divindades e seus belos modos de existência; e sobre os jurua e seu avassalador modo de vida capitalista, inaugurado quando os próprios jurua decidiram assassinar o filho de Tupã, que veio a terra para ensiná-los”, complementa o autor.

“Daniel Pierri, em trabalhos recentes, restaura os direitos especulativos do pensamento guarani contra a voga hipercriticista e ‘materialista’ que recusou qualquer tipo de fundamento religioso aos deslocamentos territoriais dos Guarani em nome de considerações ecológicas”, afirma o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

“Pierri mostrou que a especulação cosmológica, escatológica e filosófica dos Guarani não é separável e menos ainda excludente de uma reflexão sobre as condições materiais de existência desses povos”, continua. “Mas uma reflexão não é um reflexo. Esse pensamento é uma reflexão filosófica feita a partir das condições históricas de opressão e de dominação que os povos guarani sofreram ao longo de cinco séculos.”

 

Lançamento

Terça-feira, 17 de abril, às 19h
Ateliê do Bixiga
Rua Conselheiro Ramalho, 945, Bela Vista, São Paulo-SP
Próximo às estações de metrô Brigadeiro e São Joaquim
Debate com
Jera Poty Miri, liderança guarani mbya
Daniel Pierri, autor
Dominique Tilkin Gallois, professora USP
Tiago Karai, liderança guarani mbya
Entrada franca!

You may also like