fbpx

Silvia Federici

é uma intelectual militante de tradição feminista marxista autônoma.

Nascida na cidade italiana de Parma em 1942, mudou-se para os Estados Unidos em 1967, onde foi cofundadora do International Feminist Collective (coletivo internacional feminista), participou da Wages for Housework Campaign (Campanha por um salário para o trabalho doméstico) e contribuiu com o Midnight Notes Collective (coletivo notas da meia-noite).

Durante os anos 1980 foi professora na Universidade de Port Harcourt, na Nigéria, onde acompanhou a organização feminista Women in Nigeria (Mulheres na Nigéria) e contribuiu para a criação do Committee for Academic Freedom in Africa (comitê para a liberdade acadêmica na África). Na Nigéria, pôde ainda presenciar a implementação de uma série de ajustes estruturais patrocinada pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial.

Atualmente, Silvia Federici é professora emérita da Universidade de Hofstra, em Nova York.

Pela Editora Elefante, publicou o livro Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva, em julho de 2017, e O ponto zero da revolução, em abril de 2019. Também é autora de inúmeros artigos sobre feminismo, colonialismo, globalização, trabalho precário, commons e outros temas correlatos.

 

É autor(a) em:

 

Postagens relacionadas:

As Amazônias que vão e as que chegam

No final do caminho dirão: — E tu, viveste? Amaste? E eu, sem dizer nada, Abrirei o coração cheio de nomes. […]

Ler mais

Um setor infectado: propostas para as doenças do sistema agroalimentar

Por Ricardo Abramovay Publicado em UOL TAB   De todas as mudanças que a atual pandemia vai trazer para a […]

Ler mais

O sistema alimentar mundial está doente

Por Ricardo Abramovay Publicado no UOL Tab   Metade dos 25 condados com maior incidência per capita de contaminação por […]

Ler mais